Carlos Machado enfrenta maratona de velocidade

O pernambucano Carlos Machado cumpriu uma verdadeira maratona de velocidade neste fim de semana. No Sábado (28), na cidadã paranaense de Londrina, Participou da abertura do Campeonato Brasileiro de Turismo 1600, competição homologada e organizada pela Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA).

Na pista do Autódromo de Londrina, foram quatro etapas disputadas, das quais chegou ao pódio em três, e não conseguira a vitória em uma delas por conta da quebra do trambulador do câmbio de seu Celta. Sem conseguir passar as marchas de forma correta, Machado não conseguiu sustentar a primeira colocação da categoria B, mas deixou Londrina com dois terceiros lugares e um segundo.

Terminada a corrida do Brasileiro de Turismo 1600, saiu direto para o aeroporto a fim de pegar um voo para São Paulo. Uma vez na capital Paulista, seguiu para Recife. Chegando na capital pernambucana, rumou para Caruaru onde chegou às três horas da madrugada e pela manhã do domingo (29) disputou as duas etapas do Campeonato Pernambucano de Marcas.

Na pista do Autódromo de Caruaru, Carlos demonstrou que está em grande forma e teve uma atuação invejável. Na primeira corrida, largando da quinta posição, não deu margem para ninguém e terminou por vencer. Na segunda corrida do dia, partia da sexta posição, já que invertem as posições dos seis primeiros colocados na prova anterior. Dada a largada, Calos Machado não conseguiu engatar a segunda marcha e acabou perdendo várias posições, caindo para o 11º posto. Começava aí uma incrível corrida de recuperação. Foram 10 posições ganhas até levar seu Gol numero 115 a mais um P1 na pista pernambucana.

“Todo o esforço foi recompensado. Sei que terei de me superar este ano se quiser participar de várias competições e este fim de semana foi uma demonstração disso. Me esforcei muito nas corridas e estou feliz com o resultado alcançado”, disse Carlos Machado, que neste fim de semana disputa em Rivera, no Uruguai, etapa do Campeonato Gaúcho de Marcas e Pilotos 1.4.

Texto: Robério Lessa

2018-05-02T12:58:55+00:00